terça-feira, 30 de agosto de 2016

Escrever no Caminho...

Como é óbvio, não podia sair para O Caminho sem levar comigo um caderno onde pudesse escrever todos os pormenores de cada dia, todos os meus pensamentos e todos os tópicos sobre os quais queria pensar e desenvolver mais tarde. Passei os primeiros dias com umas páginas ocupadas com coisas que nunca poderiam sair do caderno e com todas as restantes folhas em branco. Era como se a minha vontade e a minha paixão pela escrita tivessem desaparecido por completo e para sempre. As coisas mais inspiradas e mais importantes que disse, senti ou pensei não as apontei, saíram-me do fundo da alma e ficaram perdidas pelos recantos do Caminho. Num daqueles dias pensei até em transportar o meu caderno em branco até ao último dia para depois o deixar algures, praticamente intacto, antes de chegar a Santiago. As lágrimas mudaram tudo. No primeiro dia de emoção, quando faltava já muito pouco para chegar ao destino, depois de chorar como há muito não acontecia, sentei-me num bosque, pus a música a tocar e escrevi sem parar, não sei quanto tempo lá estive, mas foi dali, daquele tempo só meu que trouxe tudo aquilo que queria mostrar ao mundo, foi ali que despi a alma para as folhas em branco e que consegui conjugar todos os meus sentimentos e todas as minhas reflexões. 

A Loira acha que...

É ténue a linha que separa o completamente misteriosa do demasiado óbvia.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

A loira e o calendário

A Loira tem um caderno que nunca larga, é o caderno da inspiração. Lá vão parar rascunhos e gatafunhos, frases, pensamentos, ideias, temas a desenvolver, textos completos ou uma só palavra. Algumas coisas nunca saem de lá, são as coisas só do caderno, outras a Loira faz questão de as dizer às pessoas mais especiais, grande parte dão posts para o Blog e há também as que ficam para sempre perdidas no tempo, ou porque a Loira não arranjou maneira de esconder algum sentimento nas entrelinhas, ou porque deixaram de fazer sentido. É por isso que a Loira não gosta de deixar nada por dizer/escrever, porque é um desperdício de vida perder o sentido das coisas por culpa do tempo.
A Loira escreveu no início de Agosto uma só frase que seria tema para desenvolver num post: "A Loira espera que Agosto mude muitas coisas". A Loira não desenvolveu o tema, a Loira não escreveu sobre isso, a Loira nunca mais pensou nisso. Hoje, a Loira abriu o caderno e leu a frase. A Loira sorriu, Agosto mudou tudo e a frase esquecida afinal não perdeu o sentido com o tempo. Agora que Agosto está a acabar a frase faz mais sentido que nunca.

A Loira está de volta

Sou de aventuras, não consigo terminar uma sem ter outra no horizonte, traço destinos, faço planos, marco datas, organizo o que há para organizar, vou sem olhar para trás nem pensar, se pensasse não teria vivido as coisas mais importantes da minha vida, arrisco. Não sei existir senão na determinação de fazer, de partir e de viver. Fui, voltei. Posso dizer que de todas as aventuras que já vivi esta terá sido a mais marcante na minha vida, a que mais me mudou, a que mais senti na pele e na alma. Tenho muito para contar, para recordar, para escrever, para esconder nas entrelinhas dos textos, tenho muito para mostrar ao mundo, tenho incontáveis espaços em branco para preencher de coisas muito minhas, sem urgência, sem necessidade ou desejo de chegar, estou tranquila, tenho todo o tempo do mundo. 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Até já pessoas

Logo à noite já durmo em Ponte de Lima, é de lá que parto amanhã para a minha viagem, para O meu Caminho. Deixo em casa a minha bicicleta que já me levou lá tantas vezes e aventuro-me pela primeira vez a caminhar até Santiago de Compostela. Se tudo correr bem demorarei cerca de sete dias até à minha meta, o destino que tanto me atrai e me apaixona. Passarei os dias a seguir calmamente a direcção das setas amarelas e do meu coração. Na mochila levo poucas coisas, mas levo o essencial. Talvez me apeteça escrever aqui, talvez não, levo comigo um caderno vazio, tão cheio de páginas em branco para preencher com pedaços meus. Até já pessoas. Bom Caminho para mim. 

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Loira, a inspirada


Durante demasiado tempo tentaram convencer-me que o mundo é a preto e branco. Nunca acreditei. Não acredito. Nunca acreditarei. Para mim o mundo é cor-de-rosa, é amarelo, é colorido, é de todas as cores possíveis e imaginárias. Para mim os dias começam como um cartaz de pantone, só temos de escolher de que cor queremos pintar os nossos sonhos e a nossa vida. 

#horadeprepararamochila

Vou deixar tudo para trás e levar apenas o peso daquilo que me é essencial para sobreviver. Passo a passo vou descobrir o mundo e vou olhar com outros olhos para o meu mundo. Procuro paz e silêncio. Procuro-me a mim. Hei-de encontrar-me ou hei-de perder-me. Não quero respostas, quero perguntas. Uma grande viagem começa com um pequeno passo. O meu pequeno passo é já amanhã. Agora, é hora de preparar a mochila. E de sonhar. 

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

O topo da montanha


Sento-me no topo da montanha e olho o horizonte. Lá em cima sou minúscula e sou enorme. Lá em cima há uma paz e um silencio indescritíveis. Lá em cima a minha visão do mundo e da vida é diferente. Lá em cima sinto de forma mais intensa. Sento-me no topo da montanha e olho o horizonte, aquilo que vejo é aquilo que me define.  

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Alô... anda alguém por aí?

Alguns dias longe do mundo real, mochila às costas e caminhar em direcção ao destino do coração, a paixão na pele. Pensar em tudo e não pensar em nada. Rir ou chorar. Estar preparada para tudo e enfrentar o que surgir sem estar preparada para nada. Autonomia total. Descodificação de sentimentos e de emoções. Aprendizagem. Uma viagem espiritual, uma lavagem de mente, de coração e de alma.
Que livro levariam com vocês para trazer carimbado pelos locais onde passassem, para fazer os apontamentos de tudo e de nada, para ir lendo o que fosse possível, para servir de diário de viagem, para vos servir de inspiração e para transportar nas folhas a vossa inspiração, misturada com a escrita do autor, para apontarem os pensamentos mais íntimos, para ficar para sempre marcado com esta viagem nas páginas e para ficar para sempre convosco, como o livro do vosso Caminho?