terça-feira, 27 de junho de 2017

As setas apontam para o mundo


E foi o mundo que as setas me mostraram, me mudaram. Talvez o mundo ache que foi aqui que me perdi, ao mundo só tenho a dizer que foi aqui que me encontrei. 

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Não sei se uma imagem vale mais do que mil palavras

Sei que na minha visão do mundo escolho sempre as palavras, apesar de me ter proposto há uns tempos atrás a arranjar mais imagens daquilo que vejo, por adorar fotografia, mas não é fácil para mim, quando olho para o espigueiro no meio da aldeia, para a flor amarela e solitária no meio do campo de erva, para o cão deitado no muro, para a idosa à sombra da árvore, para as flores coloridas da casa na descida, para o topo da montanha visto antes de começar a subida ou para a paisagem incrível que vejo lá de cima, quando finalmente a subida acaba, acho sempre que tenho de mostrar tudo ao mundo através das minhas palavras. Escolho sempre conjugar o que sinto, o que vejo e o que faço, as palavras são a minha primeira opção. Preciso arranjar mais imagens, não só para arranjar forma de mostrar ao mundo o quanto o meu mundo é belo, preciso arranjar mais imagens, para conseguir arranjar também mais palavras e descrever e conjugar tudo aquilo que me inspira, tudo aquilo que me apaixona, tudo aquilo que existe. Não sei se uma imagem vale mais do que mil palavras, ou se as palavras quando bem interpretadas valem mais que mil imagens, sei que ambiciono que as imagens e as palavras se confundam nos meus recantos mais profundos e que a minha visão do mundo seja uma união perfeita.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

As Bloggers

Já não me lembro quando a comecei a ler, ou ela a mim, sei que foi há alguns anos atrás e que o facto de ambas pedalarmos fez com que nunca mais deixássemos de nos ler. Vi-a pela primeira vez num NGPS, sem nada combinado, ficamos a saber pelos posts do dia que o desafio seria comum às duas. Passaram alguns anos entretanto, de leituras, partilhas e muito mais, até o ano passado, quando eu, já não me lembro muito bem como nem porquê a desafiei a vir comigo na minha viagem. Somos a prova que se pode gostar e interpretar uma pessoa por aquilo que ela escreve e que compreendendo as entrelinhas podemos mesmo conhecer essa pessoa, somos a prova de que não são precisas muitas palavras para dizer um gosto de ti. Foram os nossos blogues que nos fizeram confiar, eu confiei nela e naquilo que lia quando a chamei para o meu grupo de amigos, para a viagem, para minha casa e para o meu mundo, ela confiou em mim e naquilo que lia quando aceitou, quando apanhou o comboio e veio, quando montou o alforge e saiu de casa para uma aventura incerta. Este ano repetimos a aventura, voltei a desafiar a Gaja Maria e ela voltou a acreditar em mim, ainda bem que o fizemos, foi uma viagem muito especial esta. A Gaja Maria e a Loira há muito que deixaram de ser bloggers para serem amigas, com muito em comum. Foi bom, foi muito bom partilhar a grande viagem do ano com ela, sei que na próxima aventura não vai ser preciso convidar, ela vai lá estar, porque já faz parte. Gosto dela, gosto mesmo, gosto tanto que estava capaz de publicar uma foto das duas, tirada por trás, enquanto conversávamos e pedalávamos lado a lado, uma linda visão daquilo que foi a nossa viagem, só não publico porque a desgraçada é muito mais magra que eu.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Se a vida te der limões...

Todos os Caminhos me mudam. Uns com mais, outros com menos intensidade, mas quando saio de casa com a bicicleta carregada do que é essencial à sobrevivência e à continuação da viagem em caso de azar e nada mais, sei que hei-de voltar diferente. É impossível ser a mesma pessoa depois das experiências e dos ensinamentos que cada viagem nos faculta. Ainda a digerir os meus 5 dias de pedalada, os 480 km e os 7000 mt de acumulado de subida debaixo de um calor intenso, abrasador, quase insuportável, tenho já a certeza que esta viagem me ensinou a relativizar. Cheguei à meta a dar mais importância a tudo o que O Caminho me deu de bom e a desvalorizar aquilo que me deu de mau. Cheguei à meta calma, serena, tranquila e em paz, mesmo que tudo apontasse para que assim não acontecesse. 
Naquele que considero o dia mais duro da viagem, quando tinha a garganta completamente seca e arranhada pelo calor tórrido que se fazia sentir olhei para a direita e vi uma máquina de água com água fresca e vários limões, no muro de uma casa de alguém que sabe que quem lá passa precisa de mimos e de esperança. Água fresca e um limão era tudo o que eu precisava naquela hora. Água fresca e um limão, coisas tão básicas na nossa vida e às quais não damos nenhum valor. Água fresca e um limão, que me renovaram a alma e me fizeram sorrir do fundo do coração. Cheguei à meta a dar mais importância a tudo o que O Caminho me deu de bom e a desvalorizar aquilo que me deu de mau. Ainda antes do final da viagem recebi notícias da tragédia que acontecia no meu país, nos locais por onde eu tinha passado ainda uns dias antes, a pedalar em direcção a um mundo só meu, só nosso, de quem percebe o que procuramos quando saímos de casa assim. Não vale a pena dar importância às pequenas coisas que nos acontecem de mau, um dia destes a vida encarrega-se de nos pôr à prova e nessa altura já o mundo será demasiado duro. Por enquanto, se a vida te der limões faz limonada. Faz limonada e segue Caminho, porque a limonada pode ser tudo o que tu precisas naquele momento.

terça-feira, 20 de junho de 2017

E foi então que momentaneamente perdemos um dos elementos do grupo

E esperávamos por ele, na beira da estrada, encostados a uma casa, bicicletas carregadas e demasiado pesadas, nós a aproveitar a sombra e o tempo de descanso, nós a aproveitar para respirar profundamente enquanto tentávamos esquecer o excesso de calor, nós a falar de quilómetros, de altimetrias e de médias, nós a fazer contas do tempo que faltava para o destino do dia, nós a pensar nos dias e nos quilómetros que se seguiam, nós à espera, talvez cansados, talvez com sede, talvez com fome, de certeza a morrer de calor, quando a dona da casa, já idosa, pele gasta pelo tempo, abre a porta e ao ver-nos diz com toda a convicção do mundo que: "Meu Deus, cada vez há mais gente doida!"

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Loira is back

Pedalei durante 5 dias. Fiz a ligação do Caminho de Santiago entre Fátima e Santiago de Compostela. Percorri cerca de 480 km com quase 7000 mt de acumulado de subida. Enfrentei subidas intermináveis, descidas incríveis, quilómetros e quilómetros de um calor infernal. Diverti-me imenso, vivi dias de emoções intensas e aventura, aproveitei cada bocadinho de Caminho e cheguei à minha meta feliz, muito feliz. Fechei um ciclo de vida. Talvez tenha ainda muito para absorver e para escrever sobre esta viagem e sobre este grande desafio, por enquanto só uma fantástica e brilhante conclusão: a melhor merda que inventaram até hoje foi o secador de cabelo, se eu já amava o secador de cabelo a partir de agora vou idolatrar o secador de cabelo. Por favor, alguém que classifique o secador de cabelo como um bem de primeira necessidade e que explique à humanidade que o secador de cabelo é essencial para a sobrevivência da raça. Alguém que arranje maneira de eu conseguir secar o cabelo quando ando a viajar em autonomia. Obrigada.

terça-feira, 13 de junho de 2017

A vida é feita de desafios

E eu só sei viver assim, a planear, a sonhar, com novas metas para alcançar, com novo chão para conhecer, com novos caminhos para descobrir, com novas montanhas para conquistar, com novas histórias para contar, com novas aventuras na pele e na alma. A vida é feita de desafios e é um grande desafio que tenho pela frente nos próximos dias. Volto daqui a cerca de 500 km e de muitas emoções. Que seja um Bom Caminho para mim, para nós, que seja um desafio superado. 

domingo, 11 de junho de 2017

Os meus livros #20 - As velas ardem até ao fim (Sándor Márai)




Sinopse

Um pequeno castelo de caça na Hungria, onde outrora se celebravam elegantes saraus e cujos salões decorados ao estilo francês se enchiam da música de Chopin, mudou radicalmente de aspecto. O esplendor de então já não existe, tudo anuncia o final de uma época. Dois homens, amigos inseparáveis na juventude, sentam-se a jantar depois de quarenta anos sem se verem. Um, passou muito tempo no Extremo Oriente, o outro, ao contrário, permaneceu na sua propriedade. Mas ambos viveram à espera deste momento, pois entre eles interpõe-se um segredo de uma força singular...

Os meus livros #19 - Smilla e os mistérios da neve (Peter Hoeg)



Sinopse 
Smilla Jaspersen tem a neve em muito melhor conta do que o amor. Ela é especialista das propriedades físicas do gelo e vive num mundo de números, ciência e memórias. E, agora, está convencida de que ocorreu um crime terrível cuja vítima é Isaiah, um rapaz de seis anos. Para além da amizade que os unia, Smilla e Isaiah tinham em comum o facto de pertencerem à pequena comunidade de esquimós a viver em Copenhaga. Quando as conclusões do inquérito oficial apontam para acidente, Smilla suspeita. E à medida que reúne informação sobre o caso, apercebe-se das suas sombrias ligações. De uma expedição secreta à Gronelândia a uma estranha conspiração que data da Segunda Guerra Mundial, muito parece estar por explicar. Pelo seu amigo e por si, ela embarca numa jornada arrepiante de mentiras, revelações e violência que a levará de volta ao mundo branco que em tempos deixou para trás e onde um segredo explosivo aguarda debaixo do gelo…

sábado, 10 de junho de 2017

Reler-me #31

Não sei viver no meio termo

Quando gosto, amo. Quando não gosto, odeio. Na minha vida, ou estou a subir, ou estou a descer, se me parece que o caminho é plano há demasiado tempo arranjo maneira de o tornar mais emocionante. Não sei fingir. Não sei dizer que sim quando é não, não sei dizer talvez quando a resposta é sim. Não viro para a direita quando quero seguir em frente, não volto para trás se acho que esse não é o caminho certo. Não faço fretes a ninguém. Não sei disfarçar estados de alma nem sentimentos. Não sei sorrir quando estou fodida, nem sei mentir, mesmo quando é preciso. Sou sempre sincera, mesmo quando saio prejudicada. Ou faço tudo, ou não faço nada. Sinto tudo o que faço e tudo o que digo, e só não faço ou digo tudo o que sinto porque sei que não posso. Quando gosto, amo. Quando não gosto, odeio. Não sei viver no meio termo. Possivelmente não sei nada da vida, mas vivo-a como se tivesse todas as certezas do mundo. 

Junho de 2015

Os meus livros #18 - O Rebate (J.Rentes de Carvalho)




Sinopse
Numa aldeia de Trás-os-Montes a chegada de um dos seus filhos emigrados para França, que vem endinheirado e casado com uma francesa provoca um verdadeiro cataclismo. Em França o Valadares, trabalhando na terra como um mouro, é premiado com a fortuna do patrão desde que case com a filha — moça doidivanas e descontrolada. Valadares e a mulher vêm a Portugal quando das tradicionais festas da aldeia. A partir deste momento a perturbação causada pelo comportamento de ambos — ele, através do dinheiro, buscando uma ingénua e primitiva glória no seu burgo; ela, usando a sedução e a provocação erótica na fauna masculina aldeã — desencadeia um rol de acontecimentos desgraçados que o rebate final expressa eloquentemente.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Estou tãaaaaooooo deprimida...

Em breve vou de viagem, mais uma daquelas grandes maluquices ao pedal que só uma doida varrida se lembra, mais uma daquelas merdas sobre as quais estou sempre a escrever e que já ninguém tem paciência para ler, mais uma daquelas tretas da autonomia total e de um grande desafio e do eu sou a melhor do mundo, ou pelo menos é assim que me vou sentir se conseguir chegar ao final e superar mais esta grande etapa na história das loucuras que eu invento para fazer. 
E se vais de viagem da forma que mais gostas porque raio estás tu deprimida, Loira? Perguntariam vocês, se andasse alguém por aí. É triste, é muito triste, é mesmo muito triste. COMO??????? Como é que uma pessoa que tem dezenas e dezenas de roupas de ciclismo consegue escolher somente duas para usar em cinco dias? Como é que alguém com o maior roupeiro da história das fashion ciclistas do mundo e arredores consegue decidir somente dois equipamentos no meio de tantos? COMO??????? COMO???????? Alguma alminha caridosa me consegue explicar? Já vi gente a cortar os pulsos ou a saltar da ponte por menos, por muito menos.

Os meus livros #17 - Antes de te conhecer (Lucie Whitehouse)



Sinopse

Hannah é uma mulher independente e determinada que não quer seguir os passos da sua mãe amargurada. Mas através de amigos, conhece certo verão, em Nova Iorque, Mark Reilly, e apaixona-se de tal modo que muda de ideias sobre o casamento. Agora vive na sua elegante casa em Londres, com um marido que adora e sente-se feliz. Mas quando ele não regressa de uma viagem de negócios aos EUA e as horas de espera se alongam em dias, Hannah começa a duvidar. Porque é que os colegas do marido acham que ele está em Paris, não NI? Porque não há registos seus no hotel? E quem é esta mulher que lhe anda a telefonar? Hannah começa a investigar a vida do marido e descobre coisas que a fazem duvidar de tudo o que julgava saber sobre ele. Da história de encantar que vive, é levada para um mundo de violência e medo. Mas será que os segredos de Mark se destinam a protegê-lo a ele ou a ela?

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Os meus livros #16 - As quatro vidas do Salgueiro (Shan Sa)

SINOPSE


Uma grande história de amor, uma travessia da China eterna, onde se cruzam fantasmas e guerreiros, as mulheres caminham com os pés enfaixados e os homens caçam com falcões.

Na China, o salgueiro-chorão simboliza a morte e o renascimento. Será que um ramo de salgueiro se pode transformar numa mulher condenada a perseguir o amor ao longo dos séculos? Além de contar a epopeia destas «almas errantes» em quatro períodos, correspondentes a outras tantas (e diferentes) Chinas – do bulício dos sonhos e poeira de Pequim, aos silêncios da Cidade Proibida, da era das cortesãs vestidas de seda à Revolução Cultural, das estepes cavalgadas pelos tártaros aos arrozais regados com o sangue dos Guardas Vermelhos –, Shan Sa põe em cena a paixão: dois seres que se procuram e se perdem. Tudo os separa, todas as tragédias de um povo antigo se interpõem entre ambos. No meio do tumulto, só mesmo um milagre os poderia unir... As Quatro Vidas do Salgueiro são uma história de amor que percorre os labirintos da memória chinesa, desde a dinastia Ming aos últimos sobressaltos do Império Chinês. Uma bela fábula com o sabor do chá amargo.

Reler-me #30

Nem sei como escrever isto. ÀS VEZES TER UM BLOG É UM BOCADO DEPRIMENTE. Pronto, já está.

No início do ano decidi aproveitar a minha paixão pela leitura e comecei a publicar todos os livros que leio, com a única intenção possível, a de partilhar. Houve um livro pelo qual me apaixonei e depois de o publicar várias foram as pessoas que me disseram que o tinham lido por minha culpa, minha tão grande culpa. Não consigo explicar o quanto isso me deixa feliz. Entre outros, recebi um e-mail de uma pessoa a dizer que tinha lido o meu post e que queria saber mais sobre o livro, trocamos algumas ideias. Passado uns dias novo e-mail a dizer que ia comprar o livro, mandava-me o link e pedia para eu certificar que sim, que aquele era de facto o livro. Eu disse que sim, que era o livro, mas mandei o link da editora e disse para comprar no site deles, uma vez que naquela semana o livro estava com 40% de desconto. A pessoa agradeceu-me imenso a atenção. Algum tempo depois escrevi um post sobre julgar os livros pela capa e voltei a falar do mesmo livro. Novo e-mail a dizer que agora sim, queria mesmo ler o livro. Passado uns dias novo e-mail a dizer que sim, que tinha comprado o livro e que ia tratar de o ler. Dias depois novo e-mail a dizer que sim, que já tinha começado a ler o livro e que estava a gostar bastante. A todos os e-mails respondi, sempre trocando ideias sobre o livro e fui pedindo para no final da leitura me dar uma opinião sobre o livro. Mais uns dias e novo e-mail para me dizer que sim, que já tinha lido mais umas páginas e que o livro era mesmo bom. Eu respondo ao e-mail mais uma vez, feliz da vida pela partilha e a troca de ideias sobre o livro e a pessoa volta a responder-me com a seguinte pergunta: "Tu leste-o?" SOCORRO!!!

Junho de 2015

quarta-feira, 7 de junho de 2017

O admirável mundo novo

A pessoa que vive no mesmo prédio que eu e que além de não responder ao meu simpático e sorridente "bom dia" ainda me olha de lado antes de virar a cara é a mesma que uns dias depois me pede amizade no facebook. 

Os meus livros #15 - Mizé . Antes galdéria do que normal e remediada (Ricardo Adolfo)





SINOPSE
Nos arredores de Lisboa, Mizé, a boa da vizinhança, tenta conciliar os sonhos de uma vida de estrela com a rotina entre o salão unissexo e o bairro social Esperança. Mas não é fácil. Ela quer mais, muito mais. E está preparada para usar tudo o que tem para o conseguir. Por outro lado, Palha, que largou as saias da mãe para casar com Mizé, só quer manter o pouco que lhe resta - a começar pelo emprego a vender batatas fritas. Numa noite de enganos, Palha descobre aquilo que nunca quis ver. Desesperado, parte em busca da inocência de Mizé e acaba por desenterrar a sua própria mentira.