quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Glória, querida

Eu juro que já fui famosa. Juro que toda a gente conhecia a Loira, a miúda da bicicleta rosa e fluorescente, a miúda dos equipamentos giros, a miúda de rosa, a miúda das meias, a miúda que foi à tal maratona, que fez O Caminho, que viram no NGPS algures não sei quando. Eu juro que as pessoas me abordavam como se eu soubesse quem são e me conheciam simplesmente por ser eu. Eu juro que já fui famosa. Agora só me falam na Glória, ou porque viram a Glória na internet, ou porque a Glória é linda, ou porque a Glória está espectacular, ou porque querem saber mais sobre a Glória, ou porque querem ver todos os pormenores. A Glória é minha, a propriedade intelectual da Glória é minha, fui eu que pensei a Glória, fui eu que sonhei a Glória, fui eu que idealizei a Glória, fui eu que paguei para a Glória ficar exactamente como eu quis. Parem de me roubar o protagonismo, a Glória é a bicicleta mais gira do mundo, mas eu quero a minha fama de volta.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Lugares no mundo

Tenho os meus lugares no mundo, tenho os meus sítios, as minhas coisas, o mundo é meu. Há uma subida que é minha, há várias subidas que são minhas, tenho montanhas, tenho pedaços de chão, tenho penedos, árvores, tenho paisagens, tenho trilhos, tenho plantas e flores, tenho descidas, tenho recantos espalhados pelo mundo que são só meus. Deixo-os lá, empresto-os aos outros, apresento-os a alguns, mas trago-os na pele, na história e na alma, os meus locais. Não me importo se centenas de pessoas sobem a minha subida, não me importo de ceder as minhas montanhas, digo orgulhosa aos que cá vêm que vão adorar as minhas serras, a árvore que é só minha pode muito bem servir de encosto para alguém que goste tanto de ler como eu, as minhas florestas podem ser exploradas e até à minha Praça, deixo chegar e passar por lá milhares de pessoas, essa Praça que partilho com muitos, que apresento a pessoas especiais e que me deixa sempre de alma leve, essa Praça que me pertence, essa Praça que é só minha, neste mundo que é meu.

 
Praça do Obradoiro,
Santiago de Compostela
13/01/2019

domingo, 13 de janeiro de 2019

Os meus Livros #2 - O Grande Peixe (Daniel Wallace)


Sinopse


Edward Bloom era um homem extraordinário. Não havia nada que não fosse capaz de fazer - e de fazer bem. Nunca faltou à escola, mesmo com as piores tempestades. Salvava vidas. Os animais adoravam-no, as mulheres adoravam-no. Era um visionário. E sabia mais anedotas do que qualquer outra pessoa. Pelo menos, é isto que ele conta a William, o filho, que não conhece bem, porque, em boa verdade, Edward nunca passou muito tempo em casa; mas, agora, ao avizinhar-se a sua morte, William quer conhecê-lo antes que seja demasiado tarde. E, num maravilhoso truque de prestidigitação, recria a sua vida numa série de lendas e mitos, todos inspirados nos escassos factos de que está a par. Começa então a compreender os feitos extraordinários do pai, mas também os seus maiores fracassos. E descobre uma maneira bonita de se despedir dele.
Numa série de cenas cómicas e frequentemente comoventes, O Grande Peixe é um livro maravilhoso e terno que pode ser lido por pessoas de todas as idades. 


Um livros que nos faz sonhar.

sábado, 12 de janeiro de 2019

Os meus Livros #1 - A Guerra que salvou a minha Vida (Kimberly Brubaker Bradley)

Sinopse 
Vencedor do John Newberry Medal Honor Book, o mais importante prémio de literatura infantojuvenil norte-americano.
Um livro emocionante e arrebatador para ler com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos.
Tudo o que Ada conhece do mundo é o pouco que consegue ver a partir da janela. Sempre viveu com a mãe e o irmão mais novo num apartamento minúsculo, de onde está proibida de sair. Ada apenas teve a infelicidade de nascer com um pé aleijado, mas isso é mais do que motivo para a mãe se envergonhar dela, maltratando-a e escondendo-a.
Com a aproximação da guerra, todas as crianças de Londres são enviadas para um campo fora da cidade, e Ada aproveita a oportunidade para fugir com o irmão. Os dois são acolhidos por uma família que os ama incondicionalmente, sem distinções nem preconceitos, e Ada pode finalmente aprender a ler, a escrever e a montar a cavalo.
Pela primeira vez na vida, faz amigos e percebe o verdadeiro significado da palavra felicidade. Mas tudo pode ser posto em causa quando o passado volta para pôr Ada novamente à prova. Imperdível e obrigatória, esta é a história das inúmeras batalhas que temos de travar para conquistarmos o nosso lugar no mundo.
Um livro multipremiado: Publishers Weekly Best Books, Wall Street Journal Best Children’s Books, Kirkus Best Books, Goodreads Choice Awards Nominee for Best Middle Grade Book, Chicago Public Library’s Best of the Bests Books, Schneider Family book Award, Josette Frank Award.

Críticas de imprensa
«Um retrato genuíno e ousado de uma infância conturbada, que nos mostra que a vida é superior a qualquer dor.» The New York Times


Este livro foi uma prenda de Natal muito especial que escolhi para ser o primeiro lido de 2019. E é também a sua história muito, muito especial. Muito bom.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Arrumar o Natal

Tirei o Natal das caixas e montei-o consciente que seria um Natal para as gatas, mas ainda assim feliz por enfeitar a minha casa e a minha vida de brincadeiras delas e preocupações minhas. A árvore caiu por terra duas vezes no primeiro dia e depois manteve-se em pé, como se tivesse raízes capazes de suportar o peso do mundo, que é como quem diz, de uma gata obesa e de outra gata rufia. No primeiro dia estava disposta a montar a árvore de Natal todos os dias se assim fosse necessário (haja espírito). Depois os enfeites foram desaparecendo da árvore, dia após dia, para aparecerem espalhados por toda a casa, e decidi assim os deixar ficar, limpava mas nunca arrumei nenhum dos enfeites natalícios, achei que seria um Natal especial este, com uma árvore depenada e enfeites distribuídos pelo chão. Esta semana, chegada a hora de arrumar o Natal, assim o fiz, tirei os poucos enfeites que restavam na árvore e apanhei todos os outros espalhados pelo chão de toda a casa, as casas de banho, os quartos, a sala, a cozinha, a entrada e todos os bocadinhos da casa ficaram mais tristes e eu vi-me, finalmente, livre de tanto Natal.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Loira, sei tudo o que leste o ano passado (são links senhores, são links)

Os meus livros #1 - Noite (Elie Wiesel)

Os meus livros #2 - Hotel Íris (Yoko Ogawa)

Os meus livros #3 - Turbulência (Annette Herfkens)

Os meus livros #4 - Mulherzinhas (Louisa May Alcott)

Os meus livros #5 - Todo começo é Involuntário (Maria Isabel Moura)

Os meus livros #6 - Dois irmãos (Milton Hatoum)

Os meus livros #7 - Fetiche (Tara Moss)

Os meus livros #8 - As Mulheres de Summerser Abbey (T. J. Brown)

Os meus livros #9 - Destinos e Fúrias (Lauren Groff)

Os meus livros #10 - Os Meninos que enganavam os Nazis (Joseph Joffo)

Os meus livros #11 - Sono (Haruki Murakami)

Os meus livros #12 - Morreste-me (José Luís Peixoto)

 Os meus livros #13 - As nossas almas na noite (Kent Haruf)

Os meus livros #14 - Eu serei a última (Nadia Murad)

Os meus livros #15 - Uma questão de consciência (Ian Rankin)

Os meus livros #16 - O Aroma da Goiaba (Gabriel García Márquez e Plinio Apuleyo Mendoza)

Os meus livros #17 - Marley & Eu (John Grogan)

Os meus livros #18 - O Falador (Mario Vargas Llosa)

Os meus livros #19 - A contadora de filmes (Hernan Rivera Letelier)

Os meus livros #20 - A Metamorfose (Franz Kafka)

Os meus livros #21 - A Casa de Papel (Carlos María Domínguez)

Os meus livros #22 - O Amante (Marguerite Duras)

Os meus livros #23 - Peregrino (Terry Hayes)

Os meus livros #24 - As recordações (David Foenkinos)

Os meus livros #25 - A história do amor (Nicole Krauss)

Os meus livros #26 - A Delicadeza (David Foenkinos)

Os meus livros #27 - O Engenho (Reinaldo Arenas)

Os meus livros #28 - A Partir de Uma História Verdadeira (Delphine de Vigan)

Os meus livros #29 - O Violoncelo de Sarajevo (Steven Galloway)

Os meus livros #30 - Se o passado não tivesse asas (Pepetela)

Os meus livros #31 - A minha história com Bob (James Bowen)

Os meus livros #32 - A verdade segundo Ginny Moon (Benjamin Ludwig)

Os meus livros #33 - O Tatuador de Auschwitz (Heather Morris)

Os meus livros #34 - A Mulher de cabelo ruivo (Orhan Pamuk)

Os meus livros #35 - Uma Viagem Inesquecível (Michael Zadoorian)

Os meus livros #36 - A rapariga das laranjas (Jostein Gaarder)

Os meus livros #37 - Um Bom Homem É Difícil de Encontrar (Flannery O'Connor)

Os meus livros #38 - O Leitor (Bernhard Schlink)

Os meus livros #39 - Beatriz e Virgílio (Yann Martel)

Os meus livros #40 - a máquina de fazer espanhóis (Valter Hugo Mãe)

Os meus livros #41 - Intimidade (Hanif Kureishi)

Os meus livros #42 - Domingos de Agosto (Patrick Modiano)

Os meus livros #43 - Casa de férias com piscina (Herman Koch)

Os meus livros #44 - É assim que a perdes (Junot Díaz)

Os meus livros #45 - A Carruagem dos Órfãos (Pam Jenoff)

Os meus livros #46 - Louca por Compras (Sophie Kinsella)

Os meus livros #47 - Os Vadios (Emily Bitto)

Os meus livros #48 - Sonata a Gustav (Rose Tremain)

Os meus livros #49 - O meu nome é Lucy Barton (Elizabeth Strout)

Os meus livros #50 - O senhor das almas (Irène Némirovski)

Os meus livros #51 - Um, Dó. Li, Tá (M. J. Arlidge)

Os meus livros #52 - Anna e o Homem Andorinha (Gavriel Savit)

Os meus livros #53 - Um Homem chamado Ove (Fredrik Backman)

Os meus livros #54 - Roubo Uma história de amor (Peter Carey)

Os meus livros #55 - A outra metade de mim (Affinity Konor)

Os meus livros #56 - A minha avó pede desculpa (Fredrik Backman)

Os meus livros #57 - Os Insolentes (Marguerite Duras 

 Os meus livros #58 - Extremamente alto e incrivelmente perto (Jonathan Safran Foer)

Os meus livros #59 - Milena (Margarete Buber-Neumann)

Os meus livros #60 - As avenidas periféricas (Patrick Modiano)

Os meus livros #61 - A sociedade literária da tarte de casca de batata (Mary Ann Shaffer e Annie Barrows)

Os meus livros #62 - Um grito de amor desde o centro do mundo (Kyoichi Katayama)

Os meus livros #63 - Trono de Vidro (Sarah J. Maas)

Os meus livros#64 - Beber, Jogar, Foder (Andrew Gottlieb)

Os meus (E)Livros #65 - Tudo, Tudo e Nós (Nicola Yoon)

Os meus livros #66 - Nunca me deixes (Kazuo Ishiguro)

Os meus (E)Livros #67 - As vantagens de ser invisível (Stephen Chboski)

Os meus Livros #68 - O Fim da Aventura (Graham Greene)

Os meus Livros #69 - A lição de anatomia (Philip Roth)

Os meus Livros #70 - A vida em surdina (David Lodge)

Os meus (E)Livros #71 - O orfanato da Senhora Peregrine para crianças peculiares (Ransom Riggs)

Os meus (E)Livros #72 - Cidade sem Alma (Ransom Riggs)

Os meus Livros #73- Pelos Céus da China (C. Hope Flinchbaugh)

Os meus (E)Livros #74 - A culpa é das estrelas (John Green)

Os meus Livros #75 - Tão veloz como o desejo (Laura Esquivel)

Os meus livros #76 - A Festa da Insignificância (Milan Kundera)

Os meus (E)Livros #77 - Biblioteca de Almas (Ransom Riggs)

Os meus Livros #78 - A Lei do Amor (Laura Esquivel)

Os meus Livros #79 - Mil Grous (Yasunari Kawabata

Os meus (E)Livros #80 - Amor de Perdição (Camilo Castelo Branco)

Os meus Livros #81 - Um, ninguém e cem mil (Luigi Pirandello)

Os meus livros #82 - O mensageiro (Andy Andrews)

Os meus (E)Livros #83 - Por treze razões (Jay Asher)

Os meus Livros #84 - Os Litigantes (John Grisham)

Os meus (E)Livros #85 - Alice do outro lado do espelhho (Lewis Carroll)

Os meus (E)Livros #86 - Ninguém escreve ao Coronel (Gabriel García Márquez)

Os meus (E)Livros #87 - A conversa de Bolzano (Sándor Márai)

Os meus Livros #88 - O talentoso Sr. Ripley (Patricia Highsmith)

Os meus livros #89 - O vendedor de passados (José Eduardo Agualusa)

Os meus (E)Livros #90 - O Conto da Ilha Desconhecida (José Saramago)

Os meus Livros #91 - Chamavam-lhe Grace (Margaret Atwood)

Os meus livros #92 - Rosie e os meus maravilhosos óculos coloridos (Brianna Wolfson)

Os meus livros #93 - Acabadora (Michela Murgia)

Os meus Livros #94 - As Regras da Casa da Sidra (John Irving)

Os meus Livros #95 - O corpo dela e outras partes (Carmen Maria Machado)

Os meus Livros #96 - Pequenos Fogos em Todo o Lado (Celeste Ng)

Os meus livros #97 - A incrível e Triste História da Cândida Eréndira e da Sua Avó Desalmada (Gabriel García Márquez)

Os meus Livros #98 - Destroços (Emily Bleeker)

Os meus livros #99 - As Onze Mil Vergas (Guillaume Apollinaire)

Os meus Livros #100 - O Apelo da Selva (Jack London)

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

2018, o grande post

Comecei o ano a fazer as contagens e as listas do ano anterior, como sempre, quilómetros, livros, páginas, palavras, preciso disso para começar novas listas. Em Janeiro li, pedalei, deliciei-me com a minha Alice, acabada de chegar e passei por tanto frio que lhe chamei paixão.
Em Fevereiro subi ao pódio, fiz anos e meti-me em grandes aventuras. Cheguei à conclusão que adoro as segundas feiras, dia mundial do descanso para a Loira.
Em Março vi-me feita de páginas, fiz planos e descobri o meu lado mais humano, inspirei-me um pouco no meio da falta de inspiração constante.
Em Abril deliciei-me com as minhas Marias, gatas da minha vida, que amo de paixão, cada dia mais. Pensei, pela primeira vez na minha vida que não seria capaz de voltar a casa vinda das minhas montanhas. Fiz planos para matar a Susana porque me apresentou um grupo de venda de livros, mal eu sabia que a seguir vinham os leilões. Passei horas felizes e cheguei à conclusão que os lugares são aquilo que fazemos deles. Como sempre, subi montanhas, fui feliz e desafiei os meus limites.
Em Maio cheguei à conclusão que tinha tudo o que queria para ser feliz, duas gatas, duas bicicletas e muitos livros, só me faltava mais tempo, descobri que eu própria sou o meu maior desafio e que a minha maior riqueza foi o lixo de alguém, preparei o alforge e parti.
O alforge cedeu pelo Caminho, tive de arranjar alternativa e decidi casar com uma mochila pela qual me apaixonei, demorou a chegar mas trouxe-me a mochila este final de ano, para que tudo fizesse sentido para mim. O Caminho de Junho, apesar se ser bom não me completou, não me mostrou nada de novo, não me deixou de alma leve e embora nesta altura eu ainda não conseguisse ver, isso só podia ser sinal de grandes mudanças para mim. Em Junho fui o dorsal número um num gesto de carinho enorme vindo de pessoas muito especiais para mim. Em Junho comecei a ter sede de viver e a questionar quem sou afinal.
Em Julho percebi que voava e esqueci-me de escrever, 2018 foi um ano em que escrevi muito pouco. Fiz a minha primeira prova de bicicleta de estrada e fui muito feliz. Julho trouxe-me a primeira despedida do ano, virei costas e fui embora, sem olhar para trás.
Em Agosto fez dois anos da grande aventura que mudou a minha vida, achava-me completamente apaixonada, fui de férias, não as que idealizei ou teria escolhido, mas aquelas que tinha de ser. Em Agosto comecei a perder a força fisicamente.
Em Setembro voltei ao mundo real, comprei estantes e organizei os meus livros, já podia comprar mais livros e assim fiz, festejei um ano com companhia de quatro patas, aprendi a ler ebooks e vesti-me de Outono.
Em Outubro chegou a Glória à minha vida, a nova bicicleta de montanha que me acompanhará nos trilhos da vida e esta foi a grande surpresa deste ano.
Novembro trouxe-me a segunda e grande despedida de 2018 e sobre este mês não há muito mais a dizer.
Comecei Dezembro sozinha, eu, a Glória em cima do carro e uma grande aventura pela frente, ter partido em direcção a estes dias foi muito importante para mim, foi lá que descobri que não estava a perder a força física, exames, medicação e nada em concreto eram afinal só tristeza, foi lá que percebi que tinha toda a força do mundo, comecei a sentir-me a Loira no mundo das montanhas novamente e a subir cada uma como se tivesse perdido o peso de um alforge demasiado pesado numa viagem demasiado longa.  Foi um mês de reflexão e o os últimos dias trouxeram-me uma confirmação que me fez deixar o passado em 2018 e começar 2019 feliz e de alma leve. Em Dezembro tive um acidente de carro. Em Dezembro as pessoas acolheram-me como nunca. Em Dezembro fiz uma longa caminhada para me sentir em casa. Em Dezembro desafiei-me a acabar o ano com cem livros lidos e com o Festive 500 cumprido e consegui. Dezembro abriu-me portas e janelas, mostrou-me novos horizontes e fez-me ver, conhecer e fazer, foi um mês cheio, como eu, como já não vivia há muito.
Escolho ano após ano uma palavra que descreve o ano que passou para mim, 2018 não tem palavra, tem um ensinamento que não vou esquecer mais. Onde não estiveres feliz não te demores.
2019 é meu e tem milhões de possibilidades para me oferecer, vou aproveitar cada uma delas, porque só assim é que sinto que a minha pele é a minha casa.

domingo, 6 de janeiro de 2019

Os meus Livros #100 - O Apelo da Selva (Jack London)

 
 
Sinopse 
 
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.


Metade São Bernardo, metade Collie, Buck é afastado da sua vida confortável como animal de estimação na Califórnia e vendido a comerciantes de cães. Depressa se vê a bordo de um navio, a caminho do Norte do Canadá, onde, após inúmeros maus tratos, acaba por ser salvo por John Thornton. Em dívida para com o seu novo dono, Buck permanece ao lado de Thornton, no entanto, Buck não consegue resistir ao apelo da Natureza.
Emocionante e cheio de ação, O Apelo da Selva explora a relação intemporal entre homem e cão, e os inevitáveis instintos primitivos que atraem Buck para longe da civilização e do homem, em direção a regiões inóspitas e selvagens.


E assim terminou 2018, com um livro intemporal. 

Os meus livros #99 - As Onze Mil Vergas (Guillaume Apollinaire)

 
 
 
 
Sinopse 
 
 
 
 
Guillaume Apollinaire foi um dos maiores poetas modernas de língua francesa, um homem erudito e culto, presente em todos os movimentos de vanguarda até à morte, em Paris, no ano de 1918. O presente livro circulou durante muitos anos em edições clandestinas, mas acabou por encontrar um lugar, de corpo inteiro, na obra de Apollinaire. Ninguém deixará de reconhecer o seu espírito num livro tão monstruoso como ternamente erótico.





Quando me dizem que um livro foi proibido algures na história quero sempre ler, este contém linguagem chocante e é altamente pornográfico.

Os meus Livros #98 - Destroços (Emily Bleeker)

Sinopse 


Lillian Linder é uma mentirosa. À superfície, aparenta ser a sobrevivente corajosa de um acidente de avião. Mas tem vindo a mentir à sua família e ao resto do mundo desde que os helicópteros de salvamento a resgataram a si e a Dave, outro sobrevivente, de uma ilha deserta no Pacífico Sul. Desaparecidos durante dois anos, tornaram-se estrelas e recebem as atenções de toda a imprensa. Mas nunca poderão contar a verdadeira história…

O público está fascinado por ambos, mas Lillian e Dave têm de regressar às suas vidas e esposos. Genevieve Randall, uma jornalista experiente e obstinada, suspeita que a história pode ser falsa e está determinada a desvendar a verdade a qualquer custo, mesmo que implique destruir as vidas de Lillian e Dave. Uma história eletrizante que nos faz questionar a importância da sobrevivência, tanto no meio da natureza selvagem como sob os holofotes da imprensa implacável.



Destroços deixou muito a desejar, talvez seja o meu estado de espírito, mas não consegui ligar-me ao livro, à história e aos personagens.

sábado, 5 de janeiro de 2019

Os meus livros #97 - A incrível e Triste História da Cândida Eréndira e da Sua Avó Desalmada (Gabriel García Márquez)




Sinopse



Bem ao estilo de Gabriel García Márquez, este livro reúne sete histórias mágicas que reflectem a cultura sul-americana. As primeiras, um conjunto de seis contos fantásticos onde se misturam acontecimentos surreais e detalhes do quotidiano, contam-nos as alterações sofridas por pequenas e pobres povoações após estranhos acontecimentos que mudam a vida de todos os habitantes. A última, a novela curta que dá título ao livro, conta a história de Eréndira, uma adolescente obrigada a prostituir-se pela própria avó para a recompensar das perdas decorrentes de um incêndio acidental - um bizarro mas poderoso exemplo do realismo mágico de García Márquez. 





Gabriel García Márquez é Gabriel García Márquez, sou apaixonada por tudo o que ele escreve.

Os meus Livros #96 - Pequenos Fogos em Todo o Lado (Celeste Ng)

Sinopse
"Não seria fantástico se Reese Witherspoon lesse o meu livro, comprasse os direitos de adaptação para série e a protagonizasse?", perguntou Celeste Ng ao marido enquanto assistia à série Big Little Lies. e o fantástico aconteceu.

Pequenos Fogos em Todo o Lado está há 25 semanas no top de vendas do New York Times, depois de ter sido nomeado livro do ano por vários jornais e revistas norte-americanos, e irá ser adaptado a série televisiva por Reese Witherspoon e Kerry Washington.

Críticas
«Um livro maravilhoso. Divertido, inteligente e sensível.» Paula Hawkins

«Provavelmente o meu livro favorito do ano.» John Green

«Um livro espantoso.» Matt Haig

«Peguei no livro e não o consegui largar.» Jodi Picoult

Críticas de imprensa
«Uma história intensa e emocionante.» The Times


Este livro é viciante, depois de começar a ler não consegui parar mais.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

#festive500

O Festive 500 é um desafio a nível mundial promovido pela Rapha através do Strava e que consiste em pedalar 500 km em 8 dias, entre o Natal e o Ano Novo. Há muito tempo que sonho cumprir este desafio e este final de ano tudo se proporcionou para que eu terminasse 2018 de pernas duras, sorriso no rosto e alma leve. Desafio cumprido. Vi paisagens incríveis, almocei refeições deliciosas, aproveitei de muito boa companhia, desafiei os meus limites em termos de quilómetros e bati recordes pessoais. No final, 500 km era pouco e fui pedalar um pouco mais. 2018 não podia terminar de melhor maneira, foram dias muito felizes estes.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

Tempo de ver



Tempo de ouvir



Tempo de partilhar

Ando por estes dias completamente apaixonada, sempre gostei dos Queen, que, como a tantos, marcaram muitos momentos da minha vida, mas o filme deu-me a volta e deixou-me a suspirar pelos cantos, resgatei CD's antigos, vejo vídeos dos concertos e no escritório só toca Queen. Bohemian Rhapsody é imperdível e foi a melhor maneira de fechar o meu ano.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019