quinta-feira, 17 de julho de 2014

Querido diário, que susto...

Então não é que eu ia atropelando uma ciclista ontem ao final do dia? Ela vinha sozinha e de alforges, eu olhei-a com admiração e com a cumplicidade de quem percebe muito bem aquilo que ela está a fazer. Reduzi e muito a velocidade só para a ver melhor, só para lhe sorrir. Mas a fazer uma rotunda, como ela vai pela direita eu deduzo que vai sair na primeira saída tal como eu e quando eu já estou a sair ela mete a bicicleta à frente do meu carro, o que nos safou (ou a ela, neste caso) foi o facto de eu vir a conduzir tão devagar por estar a admirar a sua coragem. Depois seguimos cada uma o seu destino, eu fiquei a tremer durante um bom tempo, imagino que ela também. Eu só conseguia pensar que havia a possibilidade de ela estar a fazer a viagem da vida dela, a cumprir um sonho maior e que um momento de distracção poderia ter posto tudo em causa. Como pode sempre, e eu sei disso muito bem.

11 comentários:

  1. Eu tenho muito respeito pelos ciclistas (até porque tenho um primo que é ciclista profissional), mas sendo ciclista ou não, o facto de haver pessoas que continuam a não saber contornar a rotunda da forma correta tem causado cada vez mais acidentes :(. Passo por situações dessas com uma regularidade assustadora.....

    ResponderEliminar
  2. Nem sempre os acidentes ocorrem por maldade. Por vezes, os ciclistas arriscam muito e acham que temos total visibilidade ou total liberdade de movimentos e corre-lhes mal. Por exemplo, uma ciclista já me partiu o espelho (mal menor para mim, mal maior para ela que deu uma valente queda) porque decidiu, quando eu ia a passar, que podia simplesmente vir para cima de mim/estrada e que eu tinha que me desviar. O "pequeno" problema é que eu para me desviar tinha que bater de frente com outro carro. e não deu mesmo. Tentei não bater e travei ao mesmo tempo mas mesmo assim partiu-me a tampa do meu espelho, por isso, deves saber melhor que eu o que isso significa (em termos de dor e equilibrio) para um ciclista.

    É que para andar na estrada convém cumprir o código e sempre que algo acontece (como ali), tive que chamar a policia porque me queriam bater e fazer mais não sei o quê. A culpa foi dela e a policia disse-lhe isso mesmo. Eu ia a ultrpassar, ela meteu-se à estrada. E depois a conversa tipica é "ninguém respeita os ciclistas" - eu, por minha parte, passei a não gostar de ciclistas a partir desse dia. 2 marmanjos a tentar bater-me (sou mulher) por uma m**** que eles a viram a fazer. Eles viram tudo e mentiram à policia. Valeu-me o facto de as testemunhas a contar a verdade eram mais. Sim, detesto ciclistas e acho que a grande maioria (por experiência) desrespeita o código e todos os outros que circulam nas vias. Aliás comparando motars e ciclistas os primeiros nunca vi a desrespeitar, nunca me tentaram bater, agradecem quando lhes damos passagem, etc - os ciclistas acham-se os reis da estrada, fazem m**** e os outros que se desenrasquem para não lhe bater.

    Ps: se eu viesse à velocidade permitida na zona onde bati na dita (90km/h) ela hoje não andava cá para contar a história. Claro que a culpa seria minha, não é? A culpa era minha porque ela achava que estava no direito de se meter à estrada sem sequer olhar para o que ia fazer. Colocando em risco todos os que circulavam na mesma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, há ciclistas a arriscar demais, arriscam tudo. Estou cansada de ver ciclistas a não cumprir as regras de trânsito, eu própria já o poderei ter feito, embora se o fiz foi de forma inconsciente porque tenho um medo horrível de andar na estrada e tenho sempre imenso cuidado. Mas acredita que também há condutores que não se importam mesmo nada com a nossa segurança, como ciclista já passei por situações muito perigosas e sempre por culpa dos condutores, mais que uma vez já quase me abalroaram e mais que uma vez que seguiram a sua vida sem sequer olhar para mim, sem se importar se eu não tinha caído com a travagem ou não. Podia contar mil e uma histórias mas não vale a pena, até porque não gosto de generalizar, como condutora e como ciclista sei que em ambos os casos há pessoas com civismo e em ambos os casos há verdadeiros imbecis.

      Eliminar
    2. Eu não duvido que existam pessoas sem civismo nenhum para os ciclistas e duvido que essas pessoas tenham respeito por pedestres também. Mas, no que me toca a mim, simplesmente nunca vi nenhum ciclista a cumprir as regras e isso é muito triste. Eu "só" lhe bati a ela mas já perdi a conta às vezes em que tive situações perigosas na estrada devido a ciclistas e, contabilizando os meus 8 anos de carta, nunca tive um acidente, nunca apanhei uma multa, nem nada mas já os vi a fazer coisas nas quais me benzi mentalmente muitas vezes. Arriscam a própria vida e a dos outros.
      E depois de ver algumas coisas acredito que algumas pessoas façam algumas coisas aos mesmos por perderam a paciência (não justifica, não mas há muitos que dizer que abusam é muito pouco). E depois assim que acontece algo mete-se logo a culpa a quem tem o carro, porque é impossível que aconteça como a mim, que vinha a uma velocidade mesmo reduzida, que até tinha uma criança comigo no carro mas que não acabei a levar porrada de 2 marmanjos (à frente do meu filho) porque tive testemunhas a intervir.

      Entendo que não sejam todos mas eu ainda não vi 1 que fosse a respeitar o código. Nunca. Vão 8 anos a conduzir numa zona com bastantes ciclistas, principalmente no verão. E jamais faria algo para os aleijar propositadamente mas simplesmente detesto ver ciclistas na estrada - até porque sempre que os vejo, estão a fazer manobras perigosas, na brincadeira no meio da estrada, a impedir a circulação propositadamente, etc.

      Eliminar
  3. Há imensos acidentes em rotundas... Mas felizmente não foi nada!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Os acidentes acontecem mas ainda bem que não passou de um susto.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Não percebi... Se pensas que ambas íam sair na primeira saída, como é que ela se atravessa à tua frente? Não deverias estar atrás dela? A forma como contas dá-me a ideia que estavas na segunda, para sair na diagonal, em vez de te chegares à direita, certo?
    Se assim for, não sei se sabes, a culpada serias tu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou tentar explicar-me melhor. Eu estava atrás dela, penso que ela estava confusa porque ela já estava a sair (tal como eu pensava e a rota dela indicava isso mesmo) quando decidiu continuar a contornar a rotunda, ficando a bicicleta totalmente em frente ao meu carro, como disse eu ia muito devagar, caso contrário não conseguia travar a tempo. Penso que terá visto mal as indicações e decidido mudar de direcção no último segundo porque depois subiu para o jardim a tentar situar-se.
      Acredite, se há alguém neste mundo louco de correrias que dá espaço a uma ciclista sou eu.

      Eliminar
  6. Se calhar depois deste susto ela decidiu arrumar a bicicleta de vez. Não tanto por quase ser atropelada por um carro mas porque a condutora que quase a atropelou a perseguia em marcha lenta dentro de um veículo motorizado e lhe lançava olhinhos ahahaha! Poderá ela ter pensado que andavas ao engate?

    ResponderEliminar
  7. "Mais popular é a alteração na circulação nas rotundas, com 85% dos inquiridos que tiveram conhecimento da mudança a responder corretamente, mas com apenas 1% a saber dizer que a nova regra não se aplica a veículos pesados, bicicletas e carroças/animais."
    http://www.dinheirovivo.pt/mercados/interior.aspx?content_id=4012923&page=1

    ResponderEliminar
  8. É a primeira vez que estou no teu blog e gostei muito. Parabéns :)

    http://fromportugaltonyc.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Aqui não há censura...