segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Síndrome de leitora compulsiva

Ainda o filme não ia a meio e já eu lhe adivinhava o final. Bastou-me uma frase para perceber tudo aquilo que era suposto ocultar até aos últimos minutos da história. Na grande cena que anunciava o inesperado ouviram-se por toda a sala murmúrios de admiração. Para mim já não era novidade. Como é que sabias? Perguntou-me a minha amiga. E eu lá lhe expliquei quando e como percebi tudo. Como é que a mim passou despercebido enquanto que a ti não? Perguntou-me ela novamente. E eu fiquei a pensar nas histórias, nas personagens, nos locais, na forma de analisar o que leio, nos pormenores desde a primeira página que vão fazer todo o sentido até à última, nas páginas de leituras que inundam os meus dias e respondi, síndrome de leitora compulsiva. 

5 comentários:

  1. É mesmo por isso que além da qualidade da escrita o que mais valorizo num livro é a capacidade de me surpreender. Quando se lê muito e já conhecemos muitas histórias, o novelo de lã está-nos todo nas mãos, já num fio corrido. Um problema. E um prazer.

    ResponderEliminar
  2. Sabes como controlei esse síndrome? Pois...não foi preciso grande coisa. O nascimento do primeiro há 5 anos e depois quando achei que ia ter novamente uma recaída, nasce a segunda há 2 anos. Por enquanto, leituras só "para dentro"...:) Abraço! Gostei de vir aqui!

    ResponderEliminar
  3. Revi-me tanto nessa característica tua ! Eu também "adivinho" imenso os acontecimentos dos filmes que vejo...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Esse treino desenvolve imenso a nossa capacidade de atentar nos pormenores.

    Beijos, Loiraça :)

    ResponderEliminar

Aqui não há censura...