sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

...
Fica em mim, que hoje o tempo doi
...

Muito mais que uma conversa...

"- Já paraste para pensar se era mesmo isso que querias para a tua vida?
- Não.
- Pois não, nunca pensaste nisso porque tens medo da resposta. Eu já pensei e sei que não é isto que eu quero para a minha. "
...

( Agora, já parei para pensar e sim, a resposta assusta-me )

Confesso....


terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

...

Uma noite destas fui á beira mar e gritei tão alto que quase fiquei sem voz
...

Fácil e Difícil

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata!

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.
Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer "oi" ou "como vai"?
Difícil é dizer "adeus". Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.

Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente sentimos.

Carlos Drumond de Andrade

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

" E eu lhe digo adeus "

"Já não se encantarão os meus olhos nos teus olhos,

(...)

...Do teu coração me diz adeus uma criança.
E eu lhe digo adeus."

Pablo Neruda

It's raining again....



...

Há dias em que consigo surpreender-me a mim própria

...

... Reticências ...

As pessoas mudam com o tempo, mudam a maneira de pensar, de agir e de ver o mundo. As pessoas descobrem-se e com isso evoluem. Pessoalmente, quando me descobri, comecei a gostar muito mais de mim...
Descobri que sou uma pessoa cheia de reticências....
E defino as " reticências ", da seguinte maneira: Pensamentos soltos, emoções, estados de espírito, reflexões, devaneios, segredos, loucuras, confissões, desejos, exclamações, interrogações, descobertas, declarações, sensações e tantas... tantas mais coisas que me passam pela cabeça....
Passo, a partir de agora, a partilhar as ... da minha vida!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ás vezes sinto-me fantástica....

... hoje, por exemplo, consigo ter vários pontos de vista sobre um determinado assunto.... o meu, o meu e o meu...... incrível!!!!!

Happy birthday......

.... to me!
E, não fosse o facto de ficar mais velha, era bem capaz de me habituar a isto de ser mimada todo o dia com prendinhas, declarações, comentários nas redes sociais, sms e telefonemas.... pequeno almoço especial, almoço especial, jantar especial..... há dias em que nos sentimos importantes. Amanhã quero mais, pode ser???????????

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Vamos lá mudar de assunto...

... que esta lamechiche toda já me está a deixar enjoada.... não sei se foi por só agora ler o que escrevi ou por os seguintes factos: Estou farta de ver cupidos e corações para onde quer que olhe, quinta feira passada feliz da vida para fazer uma aula de ciclyng, que gosto mesmo, mesmo e a sério e cheguei lá e não é que há corações por todo o lado, nos espelhos, nas bicicletas, nos balções, no balneário, e lá vou eu sábado de manhã ( note-se bem que troquei a minha hora semanal de pintar as unhas ) ao body combat e desta vez, além de corações por todo o lado ainda havia balões, leram bem, balões em forma de corações, espalhados pelo chão.... Se estão a achar que na segunda quando cheguei ao ginásio já tinham mudado a decoração, também eu achava, mas enfim, devo ser só eu que estou pelos cabelos com os benditos corações, porque eles continuam lá. Esta semana, também ouvi a coisa mais romântica em toda a minha vida, isso mesmo, são as duas funcionárias da pastelaria onde tomo diariamente o meu café em diálogo, para quem quis ouvir:
- Vais jantar fora no dia dos namorados?
- Para quê? Para ter que ser eu a pagar?
Outra coisa que gosto muito ( nem imaginam ), é de discutir relações, principalmente nesta fase da minha vida, é que não me apetece mesmo nada, mas para onde quer que eu olhe, onde quer que eu vá, a conversa é sempre a mesma, será que toda a gente se lembrou de falar daquilo que não quero ouvir?????????????
E pronto, é assim o amor, salve-se quem puder.
Portanto, é oficial, vamos lá mudar o assunto deste blog e falar de coisas mais interessantes, ou não......

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

" Elogio ao amor "

Já perdi a conta a quantos mail's recebo diariamente, confesso que alguns nem os vejo e que alguns me divertem bastante, este deu-me vontade de o partilhar....
ELOGIO AO AMOR - Miguel Esteves Cardoso in Expresso


Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática.
Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.

Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática.

O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra.

O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental".

Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo.
O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes.

Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.
O amor é uma coisa, a vida é outra.
A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima.
O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal.
Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra.

A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida.

A vida que se lixe.

Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.

Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz.

Não se pode ceder. Não se pode resistir.

A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira.

E valê-la também.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

AUSÊNCIA


Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua

Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda do que a tua

Sophia de Mello Breyner
In ‘Mar Novo’ (1958)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Vive o momento!!!!!!!

Estão as duas sentadas no café, como fazem todos os dias, ali mesmo onde já se disseram tantas coisas importantes, tantas banalidades, ali, onde já se deram tantas gargalhadas e heis que sai da boca dela a expressão: " não tenho dúvida nenhuma que ele é homem da minha vida, se conseguisse ficar com ele, tenho a certeza que me acontecia o que já nos disseram um dia, ficava ansiosa por chegar a hora de ir para casa só para poder estar com ele, de certeza que era para sempre "... isto sim, a amiga nunca pensou ouvir de ninguém, muito menos dela, mas o que se pode dizer a uma coisa destas??? Acabe bem, acabe mal, ou nem sequer acabe, seja como for, acho que já valeu a pena só para poder sentir e dizer uma coisa destas... Resposta???? Gostava de ser capaz de um dia estar aqui sentada contigo e conseguir dizer e sentir uma coisa assim.