terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A mantinha da avó Joana...

... foi aquilo que escolhi para mim, naquela tarde em que nos reunimos todos. A mantinha da avó Joana, aquela que ela usava pelas costas nas tardes frias de inverno. A mantinha da avó Joana que desde aquela tarde me acompanha no sofá, enquanto vejo televisão, em frente à lareira, enquanto me aqueço e leio um livro, na cozinha, sentada na cadeira, enquanto bebo um chá quentinho, na cama, enquanto durmo e sonho, no chão, quando me sento a jogar sudoku ou a escrever. A mantinha da avó acompanha-me sempre, enquanto ando pela casa, aquece-me não só o corpo, mas principalmente o coração.
Hoje, queria trazê-la comigo... a mantinha da avó Joana... não pelo frio, mas pela lembrança. Está a chegar o dia, precisamente uma semana antes de Natal, que partiu a avó Joana. O Natal, nunca mais foi igual, desde há sete anos atrás. Para sempre ontem.



"Só morrem, desaparecem de vez, as pessoas que não foram amadas."
Zélia Gattai, Città di Roma.

34 comentários:

  1. que a mantinha te mantenha quente...e sobretudo com as boas memórias...

    ResponderEliminar
  2. Este é o melhor post que já li aqui. E adoro o novo visual do blog :)

    ResponderEliminar
  3. Eu preferia n entender nada do que escreves, infelizmente eu perdi duas avós o ano passado e o meu avô este ano.
    Se os meus Natais são magicos???São pois, o Santiago ilumina cada momento, mas se sao iguais???Jamais

    ResponderEliminar
  4. Há pessoas que nunca desaparecem verdadeiramente...
    ...perduram nas memórias dos que ficam!

    :)

    ResponderEliminar
  5. Muuuuito obrigada pela tua ajuda na renovação do meu Reino :D

    ResponderEliminar
  6. Eu infelizmente não fiquei com nenhum objecto do meu avô.
    Mas cada vez que vou lá a casa, vou ao "altar" que ele lá tem.

    Fico-me pelas recordações e que boas recordações.
    Tal como o teu, também o meu Natal nunca mais foi o mesmo.

    Ele era a alegria do nosso Natal. Ele gostava de fazer as filhoses com a minha tia, ele gostava de cozer as couves e preparar o bacalhau.
    Era ele que montava a árvore de Natal, era ele que distribuia as prendas. E quando as prendas não tinham nome ele dizia que eram da "casa".

    O meu avô era especial, tal e qual como que a tua Avó Joana.

    Tenho a certeza que eles estão lá em cima os 2 a olhar por nós!

    ResponderEliminar
  7. Lamento saber querida... algumas pessoas marcam-nos para todo o sempre. Ficam as recordações, as mantinhas desta vida.

    ResponderEliminar
  8. O Natal nunca mais é igual...

    ResponderEliminar
  9. É o ciclo da minha, minha linda...
    Todos temos de partir um dia e dói quando são os nossos e é sempre nestas alturar de suposta "alegria" que nos vem a maior tristeza.
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  10. :( Sei perfeitamente o que DIZES,,,tb eu perdi uma pessoa importantissima e o NATAL jamais será igual
    Agarra-te às boas recordações e lembra-te a avó JOANA "lá" onde está, está a zelar por ti. Beijinhos, LOIRA

    ResponderEliminar
  11. Tem desafio pra você lá no blog "Um pouquinho de Ni"

    ResponderEliminar
  12. Um beijo para ti! :)

    beijo
    Sutra

    ResponderEliminar
  13. Como te entendo... Desde que o meu avô faleceu, o Natal, a Páscoa, os dias... Nunca mais nada foi igual!!

    ResponderEliminar
  14. sei que não tem a ver com ete teu intimo post e tão maravilhoso que me fez lembrar tb o xaile da avó materna q a minha ame ainda cnserva claro.

    http://mp-pazotolamic.blogspot.com/2010/05/minha-cona.html
    lê aqui.parvo ams enfim
    bjs

    ResponderEliminar
  15. Ainda tenho todos os meus avós, e não somos muito chegados, mas entendo... Há coisas que nunca se esquecem.

    Grande beijoca.

    ResponderEliminar
  16. Minha querida:
    Nesta época lembramos sempre mais, os ente queridos que já partiram. O lugar vago na mesa na noite de consoada, a sua voz e o seu calor que tanta falta, mas como também costumo dizer:
    Só morremos quando somos esquecidos.
    A tua avó continuará sempre contigo, porque nunca a esquecerás.

    Beijinhos muitos

    ResponderEliminar
  17. Bela homenagem... quase me fazes chorar.
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
  18. Terás a tua avó Joana sempre pertinho de ti :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Riga,
    :)


    Filipe,
    Sim, deixa-me quentinha.


    Mary Jane,
    Obrigado.
    Beijinho.


    Tânia,
    Eu acho que quando tiver um Joãozinho a correr pela casa o meu Natal vai ser muito mais mágico.


    Belinha,
    Obrigado.


    Ulisses,
    É isso.


    Corina,
    :)


    Cláudia,
    Eu também essa certeza amiga. Um grande beijo para ti.


    S*,
    Já andam por cá algumas "mantinhas".


    Caia,
    Pois...


    dinona,
    Sim, é o ciclo, mas hoje apeteceu-me prestar-lhe uma merecida homenagem.


    Rititi,
    Obrigado e um grande beijo.


    Nira,
    :)


    Sutra,
    Obrigado,:)


    Bailarina,
    :(


    João,
    Eu adorei o post e o comentário da Malena. Risos...
    Olha o que fiz há uns tempos: http://tambmqueroumblog.blogspot.com/2010/07/foda-se-um-dia-destes-troco-minha.html#comments
    E olha o que encontrei hoje, não vais acreditar:
    http://reviewsaver.co.uk/review/Scott-Contessa-Spark-RC-2011-Women-s-Mountain-Bike-1288964150
    Podiam começar a fazer assim coisas giras mais baratinhas, não achas? Ai... (suspiro).


    BS of Life,
    De 5 avós, só me resta 1. E eu tive 5.


    Fê,
    Muito obrigado minha querida. Um grande beijinho.


    Estrela,
    Oh... beijinho.


    Lu!,
    Sim :)

    ResponderEliminar
  20. A tua frase final diz tudo: "Só morrem, desaparecem de vez, as pessoas que não foram amadas." A tua avó nunca irá desaparecer do teu coração!

    ResponderEliminar
  21. sei bem o feeling, infelizmente mas olha, que a manta te aqueça, para sempre.

    ResponderEliminar
  22. Porque os avós são sempre, de uma maneira ou de outra, alguém muito especial. Eu só conheci os meus maternos, e ele já partiu, há uns poucos anos. Mas raramente me lembro do dia em que foi, apesar de ter coincidido com o dia da mulher daquele ano.
    Prefiro contar histórias dele no primeiro dia de cada ano, dia do seu aniversário de nascimento.
    Espero que mais tarde me recordem nessas alturas, como celebração de ter nascido, e não como marco de quando parti.

    ResponderEliminar
  23. É verdade... até aos dias de hoje penso na minha avó paterna que já faleceu há mais de 20 anitos... foi e será sempre especial para mim!
    Bjs doces na minha linda Loira! ;D

    ResponderEliminar
  24. Eli,
    É mesmo, essa frase é simplesmente verdadeira.


    cereja,
    Sim, vou cuidar muito bem da mantinha da avó Joana.


    Essência,
    Beijinho.


    palavrasasolta.
    Isso é muito bonito, eu também estou sempre a lembrar da avó Joana viva, do som das muletas nas escadas, do café quentinho e do pão com manteiga.


    Paula,
    A avó Joana tinha uma força incrível.


    Malena,
    Obrigado, és linda.

    ResponderEliminar
  25. que delicado post ... que bela escolha essas palavras da Zélia ...adorei ler as teus posts de 'gaja' .. como gaja, eu me identifiquei ...... rsrs ...bjinhos

    ResponderEliminar
  26. Loira, estás a ficar muito séria.
    As pessoas podem ficar sempre na nossa lembrança, mas a vida nunca mais é o que era. essa é que é a verdade. O resto são "consolos" que arranjamos para os momentos de saudade.

    Deixa-me ir, antes que fique contagiado.
    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Fofinho,
    Não estou a ficar muito séria. Lê o post que escrevi agora, talvez compreendas.

    ResponderEliminar
  28. A vida nunca mais é a mesma quando alguém querido, que faz parte de nós parte... a prendemos a viver a vida de outra forma, a preencher de outro modo o tempo que estaríamos com aquela pessoa, mas fica sempre um vazio, uma cadeira vazia, um canto no sofá por utilizar...
    Mas é mesmo assim!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  29. Su,
    É isso mesmo, é mesmo assim :(

    Beijinho.

    ResponderEliminar

Aqui não há censura...