terça-feira, 27 de maio de 2014

O meu desporto em vídeo

Podia fazer-vos um relato daquilo que é o meu desporto, mas isso já vocês estão fartos de ler por isso desta vez optei por vos mostrar um vídeo (nem sei como tal coisa não me passou pela cabeça antes, mas enfim), obviamente que o vídeo não é meu, primeiro, porque não gosto muito de protagonismo e já sem vídeos os fãs não me largam, segundo, porque não tenho uma câmara destas. Ainda assim foi simples, fui ao Youtube e escolhi um vídeo de uma das etapas que fiz este ano, quero dizer que antes deste dia estive três meses parada, só tinha rolado duas vezes e convidaram-me a participar, eu, que nunca desiludo, lá fui sem grandes expectativas, a não ser as do costume, chegar ao fim montada em cima da bicicleta e se possível ainda com os dentes todos na boca. Peço desculpa pelo amadorismo do vídeo, os rapazes que o filmaram descem muito devagar, eu desço muito mais depressa mas ainda assim já dá para ficarem com uma ideia mais clara do que é o BTT. No fim não deixo dedicatória nenhuma, primeiro, porque o vídeo não é meu, segundo, porque quem fode o corpinho para fazer cenas radicais sou eu e por isso o louvor é meu, meu, meu e só meu. Entrevistas ainda não dei nenhuma mas se quiserem podem contactar-me através do endereço de e-mail tambemqueroumblog@gmail.com


E sim, isto é um desporto para gente com os tomates no sítio.

11 comentários:

  1. Claramente, não é um deporto para mim. Mas parabéns pela tua força de vontade em quase perder os dentes. xD

    ResponderEliminar
  2. Admiro-te pela coragem ;) Eu nem em estrada, quanto mais em terrenos ingremes :O

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho tomates...salvo seja...só não sei se não ficam doridos com o selim.
    Quem gosta, gosta...não haja duvidas disso =)

    ResponderEliminar
  4. Olá Vera

    Volta e meia, quando estou para aí virado, o picanço acontece, e apesar de uma das minhas “meninas” pesar mais de vinte kilos, a festa acontece:). Os picanços em estrada são saudáveis, mas não basta rolar bem…
    Pessoalmente, não aprecio piso muito irregular. O meu esqueleto não gosta de vibrações. Mesmo com suspensão total, tenho cuidado ao descer um passeio. Chega de disparates. Um gajo que goste de pedalar, anima-se, “dá-lhe” (na bicicleta) e o pior vem depois, mesmo sem cair… semanas deitado é muito mau.

    Lá muito no passado, cheguei a experimentar descer uma serra sem travões e a adrenalina acabou ao fim da terceira curva bem apertada, no meio de pinheiros, numa cama fofa de silvas. (Não experimente, porque as probabilidades de sair vivo são muito baixas.) Depois de conhecer as silvas, descobri que as madressilvas, apesar do seu cheiro intenso, são muito mais fofas e os saltos repetem-se.
    -Tu já saltaste, agora é a minha vez :).

    ResponderEliminar
  5. Grande, Vera! Quem me dera...
    ( Já te disse que... não sei andar de bicicleta ?!?... Não, não me olhes com cara de quem te apetece trucidar--me, entende que na cidade grande, lá nos meus tempos pré-históricos, meninas de bem não mostravam o rabiosque, por isso a menos que se tivesse uma casa na praia, ou no campo... ou muita vontade... nicles de bikla)

    ResponderEliminar

  6. :) Achei que o percurso estava todo muito arrumadinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, a organização arrumou as pedras todas para os trilhos nos dias anteriores só para aumentar o nível de adrenalina.

      Eliminar
  7. Era mulher para fazer isto, até porque estou a precisar de dar com a cabeça nalguma pedra para me por as ideias no sitio.
    P.S. Acho que vão um bocado de devagar. Será que era para conseguir gravar?

    ResponderEliminar

Aqui não há censura...