sexta-feira, 16 de julho de 2010

Sexta feira, infantil...

Na sequência do post anterior, chegou agora a vossa vez. Quais são as coisas mais engraçadas de que se lembram ou que lhes contam da vossa infância? Contem-me tudo, e sim, figurinhas tristes como a minha também.

39 comentários:

  1. Ai queres figuras tristes logo pela manhã? Ok, cá vai. Dizem que eu achava que era cantora, em criança. De maneira que uma noite na província, quando ainda não havia lá sequer luz eléctrica nem água canalizada (e agora sinto-me velha, mas não há-de ser nada), aqui esta menina subiu para cima da mesa e cantou a noite toda, animando o serão dos velhotes e turistas que por ali estavam. Parece que até tinha um certo jeito para a coisa, mas passou-me com a idade... Felizmente, não há fotos do acontecimento. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Lamento, mas como a minha dona (mais conhecida como mãe) está naquela altura do mês, eu também estou solidário com ela, por isso não há gata com cio que eu possa calar até segunda feira lol

    A minha vida dava um livro de historizinhas deprimentes (desde querer trocar bilhetes de autocarro por telefonemas e afins), mas tenho uma reputação de gato bem comportadinho a manter :o)

    ResponderEliminar
  3. Não é bem bem figura triste mas lembro-me perfeitamente de andar às voltas a correr desalmada pela escola a fugir aos rapazes que queriam levantar a saia/bata... E quando algum se aproximava, pimbas que levava um pontapé ou "tortura chinesa" [ era quando eu lhes apanhava o pescoço e apertava um pedacinho xD ]. Bons velhos tempos !! * beijinho querida

    ResponderEliminar
  4. A minha e muito pior... já tinha 16 anos (e corpo feito) quando a minha avó me obrigou a ir vestida de santa Bárbara na proc~issão da aldeia... vergonhaaaaaaaaaaaaa

    ResponderEliminar
  5. A minha infância foi passada no pavilhão a brincar, a andar de bicicleta, a jogar à bola e ao berlinde e a fazer travessuras! Sempre fui uma criança muito hiperactiva!

    Mas não há muitas figuras tristes a revelar, tirando o facto de andar sempre com os joelhos esfolados e as mãos negras de terra de estar constantemente a jogar ao berlinde!

    E lia muito... Muito muito muito!

    Kiss

    ResponderEliminar
  6. Queres que te conte o maior trauma da minha infância??
    Foi um dia que a minha mãe me vestiu com um vestidinho todo bonito, umas meias de RENDA (Sim, renda) e umas sadrinas pretas.

    Desde esse dia NUNCA mais usei sabrinhas e passei a odiar tudo o que é de renda!

    E, esta nem devia contar, um dia quis à força sair de casa com uma saia de licra rodada (daquelas tipo a dança da lambada) vermelha com uma camisa verde. Só falta o cinto laranja e ficava uma autêntica bandeira de Portugal :)

    ResponderEliminar
  7. Provas, não tenho (felizmente :)), mas também a minha mãe tinha ideias idênticas às da tua... Mas, foi pior ainda... porque as manteve por mais tempo.... Uns bons anitos... Até o mau bater de pé surtir os efeitos esperados, finalmente :).


    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Uma vez, armada em engraçadinha, cheguei à sala onde estava toda a família e abri a toalha. Tinha aí uns 7 anos e tinha acabado de tomar banho, decidi então dar numa de exibicionista. No entanto, estava lá um colega do meu irmão mais velho por quem tinha uma paixoneta. Morri de vergonha.

    ResponderEliminar
  9. Túlipa Negra,
    Eu também gostava de cantar, mas acho que preferia dançar, porque estou em vários videos a dançar e rodar a saia. Meu Deus... que vergonha.

    ResponderEliminar
  10. Gato das Botas,
    Sim, com a foto que publicaste hoje de manhã, v~e-se logo que és bem comportadinho, não és nada como a gata da minha vizinha.

    ResponderEliminar
  11. Shell,
    Também me lembro disso, também aconteceia na minha escola. Do que tu me foste lembrar, uma vez parti um guarda chuva nas costas de um miudo por causa disso, apalmou-me o taradinho.

    ResponderEliminar
  12. Louise,
    16 anos? lol
    Mas tens fotos? Agora dá para rir.

    ResponderEliminar
  13. MRPereira,
    Eu também lia muito, mas sim, também me sujava, principalmente quando caía de bicicleta, certa vez até fui parar ao hospital.

    ResponderEliminar
  14. Cláudia,
    De rendas não me lembro, mas lembro perfeitamente de ter uma saia dessas, também vermelha, e o que eu dançava a lambada com aquilo.

    ResponderEliminar
  15. Bem eu era um cadinho traquina. Tenho tantas histórias algumas das quais mesmo muito embaraçosas. Vida na aldeia é mesmo assim.
    Ultima semana de aulas, com um calor infernal e a malta já só pensava nas férias, por isso uma tarde os rapazes da turma decidiram faltar todos e ir tomar banho para uma lagoa que existia na terrinha. As meninas chateadas por não as termos convidado, denunciaram-nos. Resumindo, os directores da escola e mais uns tantos professores foram dar connosco a tomar banho nuzinhos e ainda tiveram o desplante de levar uma máquina de filmar.. Felizmente acho que não filmaram nada.

    ResponderEliminar
  16. Margarida,
    Provas é o que não me falta. Tenho mais uma de anjo, mas azul, tenho de palhaço, de sopeira e até vestida de rancho folclorico.

    Vergonha, mesmo.

    ResponderEliminar
  17. S*
    Essa deve ser a melhor história de todos os tempos. Concerteza ele ainda hoje se lembra de ti.

    ResponderEliminar
  18. Otreblada,
    Espectáculo, adorei a tua história.

    Mas não tens a certeza que não filmaram, isso ainda é melhor, lol.

    ResponderEliminar
  19. Sou bem mais velhinha do que tu ;-) e a minha infância está já um bocadinho turva lol lol

    Mas recordo que acreditava em todas as mentiras que dizia, uma autêntica desgraça :-)))

    beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Acordava cedo, e enquanto a minha avó fazia pão, e depois ia para a beira dela cantar-lhe canções!

    ResponderEliminar
  21. Eu lembro-me de um dia em que acordei da sesta (tinha para aí 3 ou 4 anos) e procurei a minha mãe na casa (quase) toda. Não a encontrei então toca a ir até à mercearia de pijama e com um peluche nos braços...
    A sorte é que moro numa aldeia e o caminho de casa à mercearia é curto e não tem movimento praticamente nenhum.

    Ah... A minha mãe estava em casa! Na casa de banho... Preguei-lhe um susto do catano! lol

    Bjo!

    ResponderEliminar
  22. Sou sincera, não me recordo de nada em particular. Recordo-me das férias que passava na terra, e de ir a mercearia buscar chocolates de pijama ;)

    Beijo***

    ResponderEliminar
  23. Uma vez mijei numa chávena de chá e fui oferecer o chazinho à empregada.
    Raposa

    ResponderEliminar
  24. o meu irmão comia cáca de passarinho. tinhamos um muro muito pequenino onde eles pousavam, e ele como era muito pequeno achava piada às "bolinhas" e metia-as à boca...

    eu fazia funerais a insectos que eu própria matava e enfeitava a campa (de terra) com flores.

    Triste, muito triste

    ResponderEliminar
  25. Fê-blue bird,

    Às vezes continuamos a viver na infância, mesmo quando ela já está turva, eu continuo.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  26. Coiso,

    Eu fugi uma vez do infantário e outra de casa, mais ou menos como tu, mas estava no quintal da minha avó a comer tomates.

    ResponderEliminar
  27. Sissy,

    Eu, ao contrário lembro muitas coisas da minha infância.

    ResponderEliminar
  28. Izzie,

    A do teu irmão, ainda me estou a rir, com isso.

    Uma vez também fizemos um funeral e uma campa ao cãozinho da minha amiga que morreu, depois íamos lá rezar e levar flores todos os dias. É lindo ser criança.

    ResponderEliminar
  29. eu não vou falar das minhas figuras tristes de infancia senao nunca mais saía daqui. mas digamos que era tão má que um dia até uma biblia rasguei.
    ja me vesti de cigana no carnaval,tinha para aí 8 anos, e fikei sem saia.
    tb ja enterrei o meu peixinho cor de laranja no quintal da vizinha sem ela saber
    qd soube fui lá tirar e enterrei no do outro vizinho. isto pk nao tinha kintal

    ResponderEliminar
  30. A minha não é uma figura triste mas passado tantos anos cada vez que vou a casa da minha avó paterna ela continua a dar-me biscoitos de chocolate e uma fatia de queijo de bola, eu pouco importada é claro.

    ResponderEliminar
  31. mordi as costas da minha irmã até sangrar porque embirrei que a cama dela era minha (a)

    ResponderEliminar
  32. Eu fui de N Sra de Fátima já com uns 14 anos, minha amiga... É tristeza para uma miúda daquela idade, mas já superei! :p

    ResponderEliminar
  33. bruxinha,
    adorei a parte de teres ficado sem saia. E a do peixe, muito boa, vá-se lá saber quantos funerais teve o pobre peixe.


    Borboleta,
    As avós são fantásticas, sem dúvidas. Que saudades agora ao ler isso.


    Daniela,
    tu és tão querida, como fizeste isso? lol


    BS of Life,
    14 anos, de facto é dose, mas ainda bem que já superaste. Eu fui 2 vezes, mas pequenita.

    ResponderEliminar
  34. As quedas e as dores provenientes. E as roupas, oh meu deus as roupas... Para esquecer.

    Um beijinho *

    ResponderEliminar
  35. June,

    Das quedas lembro-me duma muito especial de bicicleta, já nessa altura era um bocado maluca e as roupas, de facto, é melhor nem pensar.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  36. Eu tinha a mania de subir pelas ombreiras da porta do quarto, meter-me em cima do guarda-fatos e saltar para cima da cama. Um dia, armada em boa com umas coleguinhas da escola, quis mostrar a proeza. Subi pela porta, meti-me lá em cima e saltei com tanto balanço que bati com a cabeça no tecto e parti-a.

    ResponderEliminar
  37. Ana, fonix...

    isso sim, foi uma aventura, já fiz o filme, estou a imaginar a cara das tuas pobres colegas.

    ResponderEliminar

Aqui não há censura...